Olá,
A Editora Sedição, é o espaço de publicação de HQs do Rubens Menezes.

Pois é. O cara abriu um MEI pra publicar gibis. ¯\_(ツ)_/¯


Sedição. S.f.
1. Sublevação contra qualquer autoridade constituída; Revolta; Insurreição; Motim.
2. Levantamento em massa contra a autoridade constituída. Desobediência civil.
3. POR EXTENSÃO: Perturbação da ordem pública; Desordem, Rebuliço.
4. Minha Editora.

Os Consumidores Selvagens e a Ascensão dos Palhaços

A primeira HQ de Rubens Menezes, lançada em dezembro de 2019.

Capa
  • Editora: Sedição
  • Páginas: 76
  • Características:
    29,5 x 21 cm, P&B, capa cartão colorida
  • Data da edição: novembro de 2019
  • Idioma: Português
  • ISBN:
    978-65-81280-00-0

Os Consumidores Selvagens e a ascensão dos palhaços é um gibi agridoce. Faz você rir. Daí, faz você pensar. Então, você começa a achar que não deveria estar rindo. Daí, você continua lendo, ri de novo, e o ciclo recomeça.

É uma sátira, uma paródia sobre um país muito querido, mas muito duro de se viver. É ainda um esforço para explicar uma ideia, uma tentativa de — como a criança da fábula — gritar para todo mundo na praça: “O Rei está nu!”

É também a vontade de mudar o mundo, porque histórias em quadrinhos são uma forma de arte, e toda arte que se preze precisa tentar mudar o mundo. Porque se não tivermos mais nada, ainda vamos ter a arte e a esperança.

AfroNerd

(…) Utilizando de ironia, um pouco de humor e embasamento histórico, a HQ de Rubens escancara diversos problemas causados pelo capitalismo e a forma como lidamos com o consumo desenfreado. Com um background até jornalístico, a HQ é o primeiro trabalho do autor, que deixa muito claro seu olhar e para que se propõe sua arte. (…) Apesar de horas ser divertido, horas entristecedor, este não é um quadrinho para todos, mas acho extremamente relevante, tanto para levantar o debate, como para construção de conhecimento.

(…) a Hq "Os Consumidores Selvagens e a ascensão dos palhaços" nos mostra nossa realidade política, muito complicada como temos visto nos últimos tempos, mas que não é só de agora e precisamos acordar. É uma leitura obrigatória para todos, além de ser muito boa. O quadrinista @rv3en5 conversa com a gente de uma forma leve e cômica, mas que informa acima de tudo.

“Meus amigos, essa HQ é o maior e mais necessário desabafo sobre nossa atual conjuntura política brasileira. Contada de uma maneira bem humorada e didática ela vai desenhar para você como aconteceu a escalada fascista no nosso país. (…) Trabalho belo e necessário, afinal a arte tá aí pra contestar, militar e tantas outras coisas. Mais do que nunca nós precisamos desse instrumento contestador!”




O Autor

Quadrinistas e caçador de vampiros

This is me

Desenhista. Historiador. Nerd de Linux, Drupal e Sistemas Operacionais. Professor Universitário. Planejamento estratégico para o Apocalipse Zumbi.

This is also me

Rubens Menezes é historiador e professor universitário, que está envolvido com quadrinhos, direta ou indiretamente há mais de 20 anos. Em dezembro de 2019 lançou sua primeira HQ.

Resumo Cronológico:

  • Em 1997 ganhou um troféu HQ-Mix com o site sobre quadrinhos GibIndex
  • Em 2002 colaborou com 7 edições da extinta revista Sci-Fi News, escrevendo colunas sobre quadrinhos
  • Em 2003 publicou duas modestas charges no extinto Pasquim 21 (Miss you & Just Do It!)
  • Em 2004 ilustrou, com ilustrações vetoriais, cenários para a revista em quadrinhos espanhola Wendy & Rita (link para download), a convite do quadrinista Maxx Figueiredo, que na época desenhava os personagens em primeiro plano, sobre estes cenários
  • Entre 2004 e 2006 deu aulas de ilustração vetorial, animação e construção de sites em Flash MX 2004 na Impacta Tecnologia
  • Em 2019 lançou sua primeira HQ no álbum Os Consumidores Selvagens e a Ascansão dos Palhaços

Próximos Lançamentos

O que vem por aí:

.

Mexericas

Ambientada em uma escola pública em Osasco-SP, essa HQ aborda um conflito presente em toda sociedade brasileira na forma de uma reflexão, em quadrinhos, sobre o valor social da educação, sobre a escola e sobre as famílias. Um retrato da duríssima realidade da educação, em um país que para todos os efeitos práticos, não se importa com isso. E claro, sobre mexericas.

Esta HQ está PRONTA, e estamos programando o seu lançamento para a CCXP 22.

O Cemitério Indígena da FATEC São Roque

O Cemitério Indígena da FATEC São Roque é uma HQ de terror, onde uma brincadeira sai de controle e antigas pendências precisarão ser resolvidas.


Urubus

Urubus é uma HQ de fantasia, onde um encontro inesperado altera o possível e o impossível, desafiando a ordem estabelecida e levando os personagens a alturas antes impossíveis, pelo menos para as classes mais baixas.

A PROPOSTA

A proposta é que as Histórias em Quadrinhos são uma forma de arte, uma arte com potencial para desafiar seus leitores e o mundo inteiro.

Então a idéia é publicar só gibis?

É. Bom... Principalmente, sim. Mas não só. A proposta é ter a menor editora do mundo (uma pessoa só). Uma editora pequenina e que discorde. Que discorde da estética, que discorde da (anti)ética dominante, que discorde dos grandes consensos. Uma editora que ajude a defender valores humanistas, que nesse mundo absurdo estão ficando fora de moda. Histórias em Quadrinhos são um meio para esse fim. Didáticas, de fácil compreensão, fundindo texto e arte em uma terceira categoria, que não é só texto, nem só arte. Aliás, completamente arte: Gibis. Sim, é bem difícil alguém me aparecer com mais arte do que em gibis.

Em algum momento pode rolar uma ficção, talvez um romance. Adoramos romances. Ficções. Ficções dos costumes, do tempo e das técnicas. Quem sabe livros acadêmicos, o destilado de circunspectas teses que estudem como mundar o mundo. Talvez contos. Uma editora é um universo em expansão de possibilidades. Impressionante como um CNPJ pode te deixar metido.

Mas isso é o futuro. No futuro seremos tudo isso. Diremos tudo isso. Tinta preta sobre papel branco, em aberta insurreição. Sedição. Mas o futuro ainda não está aqui.

Hoje, no presente, começamos com quadrinhos. Começamos com um gibi.

É um bom começo.

This is me

"A arte não é o espelho do mundo, é sim uma ferramenta para consertá-lo."

Vladimir Maiakóvski